Notícia

26.06.2014

 

 

Venda de medicamentos cresce 13% entre janeiro e maio de 2014

 

Entre janeiro e maio de 2014, as farmacêuticas registraram   receita   de

R$ 25,636 bilhões (valor bruto, sem os descontos concedidos no varejo),

o que representou uma alta de 13% sobre o mesmo  período  de  2013,

segundo dados  da  consultoria  IMS  Health.  Desse  total, a  divisão  de

genéricos atingiu R$ 6,248 bilhões em vendas,  aumento  de  12%   em

relação aos cinco meses do ano passado. As informações são do Estado

de S. Paulo.

O crescimento  também   segue   firme   em   volume.  Os   laboratórios

comercializaram cerca de 1,238 bilhão de unidades de medicamentos nos

primeiros cinco meses do ano, número que representa uma alta de 8% sobre igual período do ano anterior. Já os genéricos apresentaram crescimento maior, de 12%, com 346,4 milhões de unidades comercializadas no período.

Em maio, as vendas totais de remédios totalizaram R$ 5,658 bilhões (14% em relação ao mesmo mês do ano passado). Apenas o segmento de genéricos atingiu receita de R$ 1,4 bilhão (alta de 19% sobre igual período de 2013). Segundo Nelson Mussolini, presidente executivo do Sindusfarma (Sindicato da Indústria Farmacêutica no Estado de São Paulo), tradicionalmente, o mês de maio tem uma demanda firme por medicamentos como reflexo da maior incidência de gripe.

A expectativa do setor farmacêutico é encerrar o ano com um crescimento de dois dígitos, mas abaixo da expansão registrada em 2013, quando as vendas totais do setor somaram R$ 57,6 bilhões, alta de 16% sobre o ano anterior. Segundo Mussolini, o ano de 2014 deve encerrar com expansão entre 12% e 15%.

Já os genéricos, setor que tem impulsionado o resultado das indústrias nos últimos anos, totalizou faturamento de R$ 13,6 bilhões em 2013, aumento de 22% sobre o ano anterior. A participação dos genéricos em unidades no total de medicamentos vendidos encerrou maio em 24,8%. Em dezembro passado, ficou em 23,5%.

Segundo a Associação Brasileira das Indústrias de Medicamentos Genéricos (Pró Genéricos), a meta é dobrar a participação da categoria nos próximos anos.

 

Fonte: Portal Diagnóstico Web

 

 

Nossos Parceiros